Frontispício

igreja nossa senhora do rosário dos pretos

 

Por Davi Nunes

I

O frontispício da Igreja de Nossa Senhora Do Rosário dos Pretos – azul mítico de ébanos segredos – não esconde a história de amor e sofrimento de Manoel Mambí com a bela Ashanti; Guarda-a em sua camada mais profunda – abissal – em seu reboco primeiro, demão de um pedreiro crioulo em 1685, ano de sua fundação, segundo alguns historiadores reminiscentes. A história de Mambí e Ashanti só se manifesta, e vem se manifestando há séculos, através do sagrado – tambores ancestrais entoando enredos na alma, em momentos de fé, na Terça da Bênção no Pelourinho – só assim que se apresenta, inevitavelmente. E foi dessa forma que o jovem historiador de guetos, Zezé Santos, fora arrebatado em voos de repique de tambor, à época de Mambí, quando estava sentado na placidez espiritual de um dos bancos da Igreja de Rosário dos Pretos, rezando e aguardando o momento de ir encontrar a noiva e fotógrafa, Samira Flores, na sua casa, localizada no bairro do Santo Antônio Além do Carmo.

II

Zezé, perdido nas reminiscências históricas e ancestrais, viu Mambí carregando na cabeça, junto com outros pretos da irmandade do Rosário, as pedras que tiravam da pedreira do Taboão (subindo e descendo em passos de paralelepípedos as ladeiras) para construírem a igreja – mocambo de negros nas vistas de brancos. Zezé observou Mambí em olhar terno de amor com a bela Ashanti e com o plano de fuga para o Quilombo do Cabula. Amor vivido em liberdade nasce filhos de ventre livre. Fugiu com Ashanti. Léguas para liberdade. Foram emboscados. Ele matou um capitão do mato, mas fora capturado, afastado do seu amor, açoitado e decapitado na Ladeira do Pelourinho. Zezé ainda viu a procissão emocionante do enterro de Mambí, organizado pela Irmandade do Rosário dos Pretos e o desespero de Ashanti em grande comoção e revolta.

III

Zezé voltou das reminiscências históricas, entendeu a mensagem que Ogum mandara através dos tambores. Agradeceu. Fora para a casa de Samira Flores. Viu traços de Ashanti nela, abraçou-a como se fosse a primeira vez e declarou de novo o seu amor.

Davi Nunes é colaborador do portal SoteroPreta, mestrando no Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem- PPGEL/UNEB, poeta, contista e escritor de livro Infantil

Anúncios

Publicado por

Davi Nunes

Davi Nunes é colaborador do portal SoteroPreta, mestrando no Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem- PPGEL/UNEB, poeta, contista e escritor de livro Infantil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s